Dicas
07/01/22 às 18:56

4 dicas sobre o que fazer com o seu imóvel parado à venda

As contas do mês não aliviam. E quando o assunto é imóvel parado, as despesas podem acabar gerando uma dor de cabeça maior do que a habitual para o proprietário que tinha, até então, o desejo de obter rápido retorno com a venda do mesmo.

4 dicas sobre o que fazer com o seu imóvel parado à venda

Isto porque, se os gastos com o condomínio, IPTU ou com a conservação da propriedade vazia são toleráreis até certo tempo, conforme este vai passando, tornam-se desanimadores – para não dizer pesados para o bolso, não é?!

Segundo os últimos dados da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), divulgados em 2017, o tempo médio de espera pela venda de unidades habitacionais bateu o recorde histórico de 1 ano e 4 meses.

A partir do momento que o imóvel está disponível no mercado, é preciso considerar que o preço torna-se um fator crucial e que, dessa maneira, vai ser o principal aliado ou inimigo do dono que deseja a venda dele.

Mas, se de lá para cá, o mercado imobiliário aqueceu e entrou em ritmo mais acelerado, a dificuldade de venda ainda é percebida por donos de imóveis usados. A boa notícia é que, sim, existem soluções simples e práticas que podem ser aplicadas para que a comercialização não prolongue por um tempo maior que o aguardado.

Neste artigo, você vai conferir dicas preciosas e novas estratégias para adotar caso a sua propriedade esteja desocupada e gerando apenas despesas. Boa leitura!

Todos nós sabemos que conquistar a casa própria não é fácil. São anos e anos de esforço, planejamento e dedicação até chegar o sonhado dia da assinatura do contrato de compra e venda. Não é à toa que o imóvel carrega um valor sentimental grande e proporcional ao que representa para a família que o adquiriu. Sabe-se que tem uma história importante por detrás de cada canto e objeto que estão presentes no lar e, de igual modo, desfazer-se também pode não ser uma tarefa tão fácil.

É por isso que a principal resistência dos proprietários na hora de anunciar o imóvel à venda é em fechar um valor de acordo com o que o mercado espera e pratica na região onde está localizado. E diferentemente do que é o mais recomendável, acabam por agregar valores pessoais ao preço final do imóvel. Bingo!

A partir do momento que o imóvel está disponível no mercado, é preciso considerar que o preço torna-se um fator crucial e que, dessa maneira, vai ser o principal aliado ou inimigo do dono que deseja a venda dele. Não é uma simples questão de desapego, uma vez que as benfeitorias, características e os pontos positivos da residência devam ser realmente levados em conta na hora da definição de preço.

Mas é que tudo vai depender da competitividade do mesmo em meio às inúmeras opções que os potenciais compradores têm à disposição. Será que o valor de venda do imóvel realmente está competitivo com o mercado? Essa é uma questão a ser feita muito importante, mas negligenciada e não somente nos casos em que o valor sentimental fala mais alto que o de mercado.

Engana-se quem pensa que colocar um valor abaixo possa ser uma boa estratégia de venda. Nem sempre é visto com bons olhos pelo consumidor, já que pode transmitir a ideia de que o imóvel tenha algum tipo de impedimento ou que cause problemas no futuro. Atente-se, portanto, se em vez de chamar a atenção, o valor do imóvel não esteja gerando desconfiança.

Da mesma forma, estabelecer um preço muito acima do que o ideal com a finalidade de deixar margem para negociações, por exemplo, pode prejudicar a busca pelo imóvel nos portais especializados. Um simples filtro delimitado pelo internauta, como o preço máximo, é capaz de deixar o anúncio do imóvel de fora dos resultados de pesquisa.

Quer saber se o preço é quem está dificultando a venda? Busque ajuda de quem conhece a dinâmica do setor. A análise técnica de avaliadores ou corretores imobiliários vai conferir a segurança de que o valor atualizado será condizente com o de mercado, tornando o imóvel competitivo.

Imagine o quanto é frustrante para o possível comprador se deparar, logo de cara, no momento da visita ao imóvel, com imperfeições que podiam ser facilmente solucionadas com reparos pontuais… No caso de casas ou sobrados, a aparência externa é um quesito de extrema importância na criteriosa lista de intenções do comprador, sobretudo porque a fachada representa a imagem do imóvel como um todo. Ou, em outras palavras, é a que possibilita uma primeira impressão.

Então, que tal avaliar se o seu imóvel está causando uma impressão positiva àqueles que o visitam? Analise o estado de conservação da pintura, a situação das portas, janelas e do telhado, a limpeza do quintal e até mesmo da calçada. Não se esqueça de que dada a representatividade de um imóvel, quaisquer pontos podem ser cruciais na hora de selar a venda.

De nada adianta, por outro lado, “maquiar” ou preocupar-se somente com o exterior, se a parte interna não estiver em sintonia com as boas primeiras impressões. Surpreenda o interessado pelo seu imóvel! Não feche os olhos, analise o que pode interferir no poder de decisão do comprador e faça as correções necessárias. Tem focos de mofo? Rachaduras na parede? Manchas? Interruptores quebrados? Maçanetas danificadas? Fiação exposta?

Imagine o quanto é frustrante para o possível comprador se deparar, logo de cara, no momento da visita ao imóvel, com imperfeições que podiam ser facilmente solucionadas com reparos pontuais…

Esses são indícios importantes sobre o porquê o imóvel pode estar parado há um bom tempo sem a concretização da venda. Mesmo que ocupe parte do tempo do proprietário e que este necessite gastar um pouco mais, as pequenas reformas já aumentam as chances de propostas pela compra da residência.

Preço ok, partes externa e interna também ok, mas, e o anúncio do imóvel, também está ok? Como o seu imóvel está sendo apresentado aos consumidores no mercado? Mantenha parcerias com profissionais e imobiliárias que se preocupam com a qualidade da divulgação da sua propriedade e que contam com equipamentos e recursos específicos para a realização do trabalho publicitário.

A expertise de empresas especializadas faz toda a diferença na hora de estruturar um anúncio tecnicamente assertivo e que desperte a atenção do comprador certo. Isto é, boas fotografias, texto claro e bem escrito, chamadas atrativas e, sem deixar de lado, a inteligência na divulgação.

Hoje, o marketing digital é o principal aliado das imobiliárias e, consequentemente, dos proprietários. O trabalho não se limita mais à propaganda em portais e sites da área, tendo em vista que existem ferramentas disponíveis que oferecem ótimas soluções para o direcionamento certo de público, um maior alcance e poder de atração com o objetivo de estimular positivamente a tomada de decisão do cliente.

O perfil do comprador mudou e é preciso adequação à nova realidade. Se antes a placa era o chamariz, atualmente são as redes sociais, o e-mail marketing, as landing pages (sites específicos para o cadastro de interessados) e etc. São inúmeras opções e, portanto, avalie como a sua empresa parceira “cuida” do seu imóvel no meio digital.

Mesmo quando o proprietário não tem pressa de venda, é interessante investigar a demora. Afinal, o imóvel deve ser um investimento e não é saudável mantê-lo parado com despesas ou depreciações. Ou seja, se você tem dúvidas sobre a venda ou quer analisar oportunidades de negócios, procure ajuda profissional. A consultoria e os serviços de uma imobiliária de sua confiança são essenciais quando a questão é compra e venda de imóvel.

Por fim, cogite colocar placa na fachada do imóvel, haja vista que todo o público local e todas as pessoas que transitam pela região podem ser potenciais compradores. E também certifique de que a documentação está livre de impedimentos para que o processo de comercialização flua sem dores de cabeça.

Todos os detalhes devem ser considerados! Alguma dúvida ou sugestão? Escreva uma mensagem para a gente! Será um prazer ajudar.